Bem vindo ao Hotel Califórnia – Parte final.

by
Ivan e sua sede de sangue

Ivan e sua sede de sangue

Eu tinha conseguido despistar Damon e Ivan entrando na primeira porta que encontrei aberta. A minha infelicidade é que tinha gente no quarto. Ou pelo menos eu achava que era… Uma criatura deformada deitada em cima da cama começou a gritar quando me viu. Sem saber como calar a boca daquela criatura e assustado com a feiúra daquilo, eu acabei atirando nela. Os gritos acabaram, mas não dava mais pra ficar ali. Eu então tranquei a porta e corri pra janela. Saltei para o parapeito do prédio e fui seguindo até chegar a uma das salas de recreação, que felizmente estava vazia. Lá eu tirei a máscara e me preparei para descer e finalmente partir daquele hotel desgraçado.

Eu não podia acreditar no que a minha vida tinha se tornado em apenas um dia: me tornei um ladrão de farmácias, assassino, roubei traficantes e me envolvi com uma mulher fenomenal. E a parte mais curiosa é que esse dia parecia não querer acabar…

Eu já estava descendo para o primeiro piso do hotel quando ouvi Ivan gritar:

– Volta aqui, filho da…

Não consegui ouvir o resto porque comecei a correr. Ivan estava com duas armas nas mãos e eu com o meu velho .38, com menos 2 balas.  Sem nem pensar, eu disparei três tiros na direção do russo e corri. Ele respondeu ao fogo, correndo atrás de mim em seguida. Eu estava quase chegando à recepção quando senti um tiro acertando a minha perna. Eu caí gritando e quando virei pra ver onde estava Ivan, pude perceber que ele se preparava para terminar o serviço. Eu tinha pouco tempo e apenas uma bala. Foi pensando nisso que disparei meu último tiro. Apesar da bala nem ter chegado perto de Ivan, eu vi o russo caindo com impacto de um tiro. Ao olhar para o local de origem da bala, eu vi Lilith se aproximando com uma pistola na mão. Eu não pude deixar de abrir um sorriso ao perceber que ela voltara pra me salvar, porém o sorriso durou pouco quando a arma dela disparou pela segunda vez, me atingindo no braço. Eu gritei mais de ódio que de dor.  E gritei mais ainda ao ver que Damon se aproximou dela e a beijou dizendo:

– Bom trabalho garota.

Depois disso veio um chute me desacordando (que depois eu descobri que era de Jin).

Eu acordei amarrado numa cadeira, num dos quartos do hotel. Senti um líquido escorrer pelo meu rosto e, ao sentir o gosto, percebi que era sangue. O corpo dói como se tivessem me esfolado vivo e os locais onde fui atingido pelas balas pareciam estar em brasa.

De frente pra mim e sorrindo, estava Jin com a roupa manchada de sangue e uma faca na mão. Pelo que eu via, a reputação do cara não era exagerada! E por falar em reputação, eis que apareceu o casalzinho vinte: Lilith e Damon. Lilith se manteve afastada enquanto Damon falava:

– Você não é tão imprestável quanto parece… Eu tenho que apreciar a sua ambição e coragem pra tentar me roubar. Mas devo considerá-lo um idiota pra achar que sairia daqui vivo… Jin, fique à vontade.

Os dois saíram e Jin começou a se aproximar sorrindo. Parecia que o filho da mãe queria me fazer sofrer bastante antes de acabar o trabalho. Ele começou a me socar enquanto falava:

– Você sabe há quanto tempo eu trabalho como segurança do Sr. Damon? Até hoje nada e nem ninguém passou por mim! Porque um bosta como você pensou que conseguiria?

Eu responderia se não estivesse tão zonzo de tanto apanhar, mas acho que ele não queria mesmo ouvir a resposta… Ele continuou socando até cansar. Foi nesse momento que eu tentei o meu último recurso:

– Você só ta conseguindo me bater porque eu to amarrado! Quando a gente saiu na mão eu te venci. Você é só um otário que deu sorte até agora…

O soco que ele me deu naquele momento arrancou dois dos meus dentes da frente, mas eu tinha conseguido atingir o orgulho do babaca. Ele me soltou e jogou uma faca pra mim, enquanto pegou a outra. Achei que o cara estava mais doidão que eu, porque ele parecia querer um “duelo”.  Quando ele partiu pra cima de mim, eu só tive tempo de meter o pé na cadeira. Pra minha sorte a dita cuja atrapalhou o cara e, quando ele perdeu o equilíbrio,eu cuspi um pouco de sangue na cara dele e me atraquei com o matador metido a ninja. No meio da briga, meti a faca em sua barriga e o safado acertou o meu braço esquerdo.  O cara girou pro lado cuspindo sangue e parou de se mexer. Pra ter certeza de que essa besta não ia mais me atrapalhar, eu ainda dei mais três facadas. Revistando Jin encontrei uma arma e um bolo de dinheiro que eu peguei, caso precisasse. Eu agora tava pronto pra ferrar com tudo e ia começar pelo casalzinho que me deixou pra morrer.

Eu me arrastei pelo hotel até encontrar o quarto onde os dois estavam. Enquanto andava, eu ouvia as vozes cada vez mais altas. Curiosamente não via mais ninguém circulando no lugar. Mas isso não me importava agora. Eu queria o dinheiro, as drogas e a vingança.

Eu bati na porta e quem atendeu foi Damon, mas ele nem teve tempo de reagir: dois tiros no peito tiraram o chefão da jogada. Lilith me olhava assustada da cama enquanto eu apontava a arma pra ela.

– Pensou que ia ferrar comigo, sua vadia?

– Não… Eu ia dopar o Damon pra poder te ajudar…

– Sei… Depois que o “japa” me matasse…

– Não! O que aconteceu com a gente foi de verdade! Você tem que acreditar!

Eu já estava ferido e chapado demais pra tirar grandes conclusões… Não que eu fosse especialista nisso… Mas a questão é que eu não consegui matar a diaba. Eu repito até hoje pra mim que eu fiz aquilo pensando que precisaria de um motorista pra me tirar daquele fim de mundo… Eu realmente queria que as coisas tivessem rolado assim…

Eu desci me apoiando em Lilith com uma mão e apontando a arma pra ela com a outra. Ela desceu levando a mochila. Nós já estávamos chegando na recepção quando o magrelo que me recebeu apareceu. Ele se mostrou um pouco assustado com o meu estado e disse:

– Eu não tenho dinheiro aqui… O movimento hoje está fraco…

Idiota preguiçoso. Eu detestei esse cara desde que cheguei e, se já estava lascado, ele ia dançar agora. Disparei contra ele e o magrelo voou pra trás do balcão.

Eu já estava quase comemorando a minha saída quando ouvi a voz de Damon atrás de mim.

– Parabéns meu jovem! Você mostrou que realmente é a pessoa certa pra fazer parte dos meus quadros.

Eu não tava entendendo nada. Eu tinha acabado de matar o cara e ele agora aparecia me oferecendo emprego?

– Desculpa, mas eu trabalho melhor como autônomo…

– Acho que você não me entendeu… Eu não estou lhe oferecendo um emprego. Estou lhe informando a sua nova condição..

Nesse momento começaram a aparecer Jin, Ivan, Caine e mais um bando de pessoas que estavam no hotel. Eu tentei correr para a porta. Tudo que eu queria era voltar pra onde eu estava antes de entrar naquele maldito lugar. Porém, quando eu cheguei à porta, o magrelo que eu acabara de matar estava lá em pé me dizendo:

– Relaxe meu jovem… Nós estamos preparados para hospedar… Você pode pedir a conta a qualquer hora, mas nunca mais irá nos deixar…

Você pode pensar que eu estou inventando uma lenda urbana ou contando mais um “causo”, mas eu me lembro nitidamente de tudo que aconteceu naquela noite de 31 de outubro de 1980. Eu lembro tão bem porque a minha maldição é revivê-la exatamente da mesma forma noite após noite.

Então, lembre-se: cuidado com os seus desejos e aos lugares que eles podem te levar.

Ah, e bem vindo ao Hotel Califórnia!

Anúncios

6 Respostas to “Bem vindo ao Hotel Califórnia – Parte final.”

  1. Rubens Correia Says:

    Gostei muito da história, cada capítulo uma nova emoção, diferentes de certas histórias que vemos por aí que começam legais e vão caindo no comodismo, acompanho desde a parte III, fui ler o resto para me ambientar na história e não deixei mais, parabéns pela criação, esperamos por mais.

  2. Márcio Daniel Ramos Says:

    muito boa a história. é pra ler e imaginar…

  3. Maxsuel Rodrigues Says:

    Mano vc mandou muito bem curto muito historias nesse clima de suspense;
    Muito fmz.. estou a espera de mais.

    Abraço

  4. Avassaladoras Rio Says:

    Querido amigo avassalador…
    legal.
    Uma coisa estranha acontece quando entramos no seu blog. A primeira pagica que abre “erro 404 não encontrado”… por pouco deixamos de ler seus interessantes posts.

    • Leandro Rocha Says:

      Olá Avassaladoras!
      Tentem agora a entrada no blog.
      Espero que o problema esteja resolvido.
      Obrigado pelas visitas e voltem sempre!

  5. L@ura Says:

    ahhhhhhhhhhhhhhhh adoro essa musica e adorei sua história *_* Principalmente porque não acaba com um ” e foram felizes para sempre”…^^

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: