Aconteceu: Pesquisa confirma tem muito brasileiro que além de trair não usa camisinha

by

Traição é assunto delicado… Para alguns é costume, pra outros abominação e ainda tem uma parcela que considera um negócio (conforme mostrado em outro tópico nosso). Porém, o que não se pode perder de vista é a necessidade de se cuidar. A utilização de preservativos, além de ser um método contraceptivo comprovadamente eficiente, também garante a proteção contra o vírus da AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Independente da sua escolha por monogamia compartilhada (aquele cara que diz que é fiel, mas não pode ver uma cerca dando mole) ou “bundalelê total” (precisa explicar?), a sua primeira e maior escolha é por se preservar e também à pessoa que compartilha a sua intimidade.

Pense bem e cuidado…

Pesquisa revela que brasileiro trai e muitos não usam preservativo

Estudo do Ministério da Saúde revela comportamento que aumenta o risco de contaminação por doenças sexualmente transmissíveis

POR PÂMELA OLIVEIRA, RIO DE JANEIRO

Rio – Boa parcela dos brasileiros que têm relacionamentos estáveis trai seus companheiros. Segundo pesquisa do Ministério da Saúde, cerca de 7,1 milhões (16%) de homens e mulheres — dos 43,9 milhões que vivem com companheiros — admitiram que fazem sexo fora do casamento. E o pior: 63% não usam preservativos quando são infiéis, segundo a ‘Pesquisa sobre Comportamento, Atitudes e Práticas Relacionadas às DSTs e Aids da População Brasileira (PCAP)’, divulgada ontem. O estudo mostra ainda que o número de brasileiros que fizeram sexo casual com mais de cinco pessoas no ano anterior mais do que dobrou em quatro anos. Em 2004, 4 em cada 100 admitiram a prática. Agora, eles são 9.

“A pesquisa mostra que homens e mulheres com relações estáveis não estão isentos de ter relacionamentos casuais. Boa parte dos que têm um relacionamento estável, seja um casamento formal ou não, faz sexo fora do casamento. O dado preocupante é que, quando se faz sexo com uma terceira pessoa sem preservativo, se está colocando a vida de si próprio e do companheiro em risco”, alerta Eduardo Barbosa, diretor-adjunto do Departamento de DST/Aids do ministério.

Aos 32 anos, a advogada M.E. admite que não usou camisinha durante os 8 meses em que manteve um relacionamento fora do casamento. “Eu já não usava com meu marido. Nas primeiras vezes que o traí, usei preservativo, sim. Mas o caso ficou sério e, com a intimidade, deixamos de usar proteção”.

Ela não é a única. Segundo o levantamento, realizado com amostragem de 8 mil pessoas com idades entre 15 e 64 anos, entre as mulheres que traem seus companheiros 75% não usam preservativo. Já entre os homens, 57% traem sem medo de ser contaminados por doenças sexuais.

INTERNET FACILITA APROXIMAÇÃO SEXUAL

“Gostaríamos que toda a população usasse preservativo sempre, inclusive os casados. Mas sabemos que isso seria um mundo ideal. Então, nossa proposta é que as pessoas usem o preservativo pelo menos nas relações não estáveis. As pessoas podem ter o direito de ser infiéis, mas deveriam se preocupar com a possibilidade de contaminar seu companheiro”, afirma Barbosa.

A falta de cuidado se mantém entre os solteiros. Na PCAP de 2004, 51,6% afirmavam usar preservativo sempre que faziam sexo com parceiros eventuais. O percentual caiu para 46,5% no ano passado.

A pesquisa confirmou o que os ciumentos já vinham há muito tempo percebendo: a Internet como facilitadora de sexo eventual. Entre os homens, 10,3% admitem ter feito sexo com alguém que conheceram na Internet. Quando o recorte é por faixa etária, 10,5% dos jovens (15 a 24 anos) já fizeram sexo com alguém que conheceram da Internet.

“Uma coisa nova que surge é a Internet como espaço de encontro, o que vai exigir do governo novas estratégias para lidar com essa realidade”, afirmou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, durante a apresentação do estudo. “Em sites de relacionamento, como Orkut, nos blogs e outros espaços na rede mundial de computadores, o ministério vai ter de entrar e levar informações, discutir, entrar em debates. Qual é a informação central? Não pode haver relacionamento sem uso de preservativo. O preservativo é a maneira mais segura de se prevenir a infecção com o vírus HIV”, lembra. Segundo Barbosa, a preocupação é o sexo eventual desprotegido. “No mundo virtual você pode tudo. Quando se encontram, vão direto para as relações casuais e acabam se expondo às doenças.”

CAMISINHA, VELHA CONHECIDA

A boa notícia é que o brasileiro tem informação. Mais de 95% sabem que o uso do preservativo é a melhor forma de se evitar a contaminação pelo HIV. Segundo o ministério, esse é um índices mais altos do mundo. Pesquisa realizada em 64 países indicou que 40% dos homens e 38% das mulheres com idades entre 15 e 24 anos têm a informação.

Jovens são os que mais se protegem

A faixa etária de 15 a 24 anos é a campeã no uso de preservativos. Na última relação sexual com parceiros casuais, 68% destes jovens usaram camisinha, enquanto nos maiores de 50 anos a proporção não chega a 38%. Com parceiros fixos, 30,7% dos jovens costumam usar camisinha. “Os jovens de hoje nasceram na era da Aids, por isso a relação com o preservativo é mais habitual”, diz Mariângela Simão, diretora do Departamento de DST e Aids do ministério. Segundo o estudo, quanto mais jovem, maior a chance de usar — a cada ano a mais de idade, diminui em 1% a chance de a pessoa usar camisinha.

“Minha maior preocupação são as DSTs. Acho importante até com namorada”, diz o universitário Rodrigo Cunha, 19, que usa preservativo desde sua 1ª vez. Também estudante, Pedro Soares, 19, defende o sexo seguro nas relações eventuais. Ele, porém, reconhece que quando entra em relação duradoura abre mão da camisinha. “Não tenho namorada, mas se tivesse não usaria”, diz Pedro, que revela já ter saído com mulheres que pediram para não usar.

PARA SE PREVENIR

EFICIENTE
Estudo indica que o uso correto de preservativos em todas as relações tem eficácia estimada em 95% na prevenção do HIV.

COMO USAR
Abrir a embalagem com cuidado, nunca com os dentes ou objetos que possam danificá-la. Colocar a camisinha quando o pênis estiver ereto. Apertar a ponta para retirar o ar e depois desenrolá-la até a base do pênis. Se for necessário lubrificante, usar os à base de água, evitando vaselina. Após a ejaculação, retirar a camisinha com o pênis ainda ereto.

Colaborou Flávia Salme 

Anúncios

3 Respostas to “Aconteceu: Pesquisa confirma tem muito brasileiro que além de trair não usa camisinha”

  1. Tati Says:

    Uau, uma aula!
    Mas é incrível que mesmo vivendo em pleno século 21, com tanta informação disponível, mas pessoas ainda acreditam que com elas nada acontece!

  2. Onofre Caetano Seixas Says:

    eu traio n uso camisinha que doi minha pica ate tenho medo de aids mais tem que fazer umas jontex maior aquilo e pra pica de recem nacido

    legal o texto parabens

  3. J. C Says:

    Quer Trair ? Use camisinha.
    Gosta de ser o ricardão ? Use camisinha
    Quer ser promiscuo(a)? Use camisinha
    Nao confia no parceiro (a) ? use camisinha

    São saudáveis, tem um casamento sólido e fiel, e confiança? É bobagem usar, a nao ser se a mulher não possa tomar anti-concepcional ou se o marido tem ejaculacao rapida e quer retardar mais (a camisinha ajuda nisso).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: